sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Nem a avó morre...




«The curious case of Benjamin Button» é um dos filmes mais aborrecidos e previsíveis («nem a avó morre, nem o Benjamin nasce») que tenho visto ultimamente. Um verdadeiro hino aos lugares comuns de que só se «safa» o trabalho de caracterização. Seguramente não é por acaso que o argumentista desta adaptação do conto de F. Scott Fitzegrald (Eric Roth) é o mesmo que em tempos assinou o patético argumento de «Forrest Gump», outro filme pelo qual nutro uma especialíssima implicação.

Em suma: uma verdadeira banalidade a evitar a todo o custo.

5 comentários:

Alexandre Brandão da Veiga disse...

Oh Pedro, deixas-nos num dilema: a única forma de concordar contigo fundadamente é não cumprir o teu conselho

joão wemans disse...

Eu gostei muito do filme; fiquei entusiasmado.
Achei que transmitia algo de positivo acerca do estar vivo.
Gostei das pessoas e do ambiente.
Simpatizei com o conjunto de personagens, imagens e sentimentos.
Achei que retratava bem a preocupação que todos temos com a passagem do tempo e o oblívio.

Para lá do "choque", acho sempre graça ver deitar por terra tudo isto por uma opinião claramente contrária - vou pensar mais, digerir melhor - e confirmar ou repudiar as minhas primeiras impressões.

Obrigado pelo safanão

João Wemans

lusibero disse...

NÂo apreciei...excepto, realmente, a caracterização.Confio que a ex-mulher veja o filme...
Um abraço

Pedro Norton disse...

João,
A minha opinião não vale realmente mais do que isso. É uma opinião. Obrigado também pela sua
PN

Inez Dentinho disse...

E eu que ando à procura de um tempo para ver esta fita, sem falta. Pedro, João e Alexandre, voltem a este post. Cá estarei depois da prova.