segunda-feira, 9 de março de 2009

O retrato de Shakespeare

É ele. É este. A imagem acima reproduz o único retrato de Shakespeare (1546-1616) feito durante a sua vida. Para sermos matemáticos, foi pintado 6 anos antes da sua morte. Testa alta, nariz recto, olhos escuros e rasgados, a boca a que o inverno de Stratford-upon-Avon deu um toque de rouge, são estes os traços do autor de Hamlet e da Tempestade. Os raios X e as imagens de infra-vermelhos dos experts foram conclusivos e não nos deixam mentir. Soube-se ontem, numa segunda-feira de Março. Gosto da cara dele – mais jovem do que os 64 anos que já teria – acho, enfim, que tem boa pinta. Devemos-lhe um mundo e o teatro desse mundo. Mas quantos, como diz Borges, não tiveram de matar o seu rei para que ele pudesse escrever Hamlet ou Macbeth?!

4 comentários:

Sofia Rocha disse...

Está explicada a arrogância e a altivez.

Táxi Pluvioso disse...

Naquela altura eles eram todos parecidos...

Segurança para todos.

(PS: Rafael não é o nome do cantor, mas uma fábrica judaica de armamento, o vídeo é um anúncio publicitário da mesma, e que resulta. Eu fiquei com vontade de comprar um míssil, coisa que não sucede quando vejo o anúncio dos corpos Danone). Boa semana.

Jorge Buescu disse...

E, já agora: não sobreviveu NENHUM manuscrito dele. A unica coisa que temos escrita por ele são assinaturas numa dezena de documentos juridicos (bendito Direito!). E nessas assinaturas há meia duzia de grafias diferentes para o apelido, desde Shaxbeard a Shakspear. Ou seja, ninguém pode afirmar seguramente como é que ele se chamava. Sabemos mais sobre a imagem do que sobre o nome!

Pedro Norton disse...

Pelos vistos a moda de assinar trabalhos com várias grafias fez escola...