segunda-feira, 30 de junho de 2008

Burocracia mórbida



Uma amiga precisou de pedir uma certidão de óbito de um irmão para poder fazer uma escritura. A coisa atrasou-se mais do que o previsto e quando finalmente lhe marcaram a dita escritura o notário informou-a que teria de voltar a pedir a certidão de óbito porque ... tinha sido ultrapassado o prazo de validade de seis meses.
Quem é que disse que vivemos num Estado Laico? A burocracia caseira já deu existência legal à ressurreição.

7 comentários:

Gonçalo Pistacchini Moita disse...

Pedro
Se a experiência da tua amiga for parecida com as que tenho tido, nos vários serviços pelos quais ela lamentavelmente tem passado, certamente reparou, enquando espera, nos "tapetes" para os ratos exibindo o logotipo "simplex", esssa fantástica propaganda do Governo que entusiasma os incautos e já vai em mais de 700 medidas. Sim, ouvi-o há já um ou dois da boca de um Sr. Secretário de Estado, por sinal orgulhoso. Porque é óbvio que quanto mais medidas simplex o Governo tomar mais simplex tudo se tornará. Ou não?

joaõ maurício disse...

É verdade , e dá vontade de rir.
Também me confrontei com essa realidade após
a morte da minha Mãe - o meu Pai perguntou logo
se tinham medo de que entretanto ela tivesse resuscitado...
JW

Sofia Rocha disse...

Já alguém ouviu falar no Cartão do Cidadão? Foi-me o que me sucedeu quando quis fazer o BI do meu catraio para a escola. Disseram-me que o cartão do cidadão era muito bom, porque cruzava dados da segurança social, do fisco, do centro de emprego e por isso demorava uns quatro meses... eu lá ía repetindo que o rapaz só tinha 5anos, que só queria um BI. Disseram-me que a menos que eu tivesse um motivo urgente, devidamente justificado, não podia ser. Ou um excelente cartão do cidadão, que demora quatro meses, ou nada. A menos que eu quisesse ir a Lisboa...De repente sorri, lembrei-me de há trinta anos atrás quando diziam o mesmo à minha mãe: embarcávamos as três nessa aventura maior de apanhar a camioneta da rodoviária nacional, três horas a sacolejar por estradas miseráveis para fazer 80 km. Agradeci e despedi-me não sem antes dizer alto e bom som: Voltámos ao antigamente!

Anónimo disse...

Estes anúncios do "simplex" paralizaram-me o raciocínio, em sobrecarga pela tarefa de decidir se é mentira ou atraso mental...

Manuel S. Fonseca disse...

Pedro, esta foi das piores acusações que já se fez à nossa querida administração. Se são una mangas de alpaca é porque são uns mangas de alpaca, cinzentões. Se um dia se deixam tocar pelo apelo do "maravilhoso" cai-lhes tudo em cima.
Sabe o que é que digo: nunca se sabe!

Inez Dentinho disse...

Gostei dos tapetes para ratos exibindo simplex. É disso que se trata. Nós rastejamos e fica tudo limpinho.

Anónimo disse...

Pedro, aconteceu o mesmo há já uns bons anos a uma amiga minha - órfã de pai e mãe - que fez a respectiva queixa no livro de reclamações. Deram-lhe razão, mas pelos vistos nada mudou.
Beijos.
IG