terça-feira, 18 de março de 2008

Gostos fatiados - segunda fatia

Gosto de magnólias, gosto das magnólias que habitam - e, cada vez mais, habitam - o Porto.
Gosto em especial da flor que vai da cor de vinho ao lilás, passando pelo rosa fúxia, pelo roxo, pelo rosé.
São pétalas que, na cor e na carne, ano atrás de ano, anunciam a quaresma e prenunciam a paixão.
Gosto de magnólias. E acima de todas, pondo de lado as brancas, da magnólia gigante mas invulgarmente esguia, que, agora podada e de há muito cercada pela sombra, começa a despontar na casa da minha infância.

2 comentários:

Pedro Norton disse...

E o Magnólia de P. T. Anderson?

sofia rocha disse...

Porque é que há sombra na casa da sua infância?