quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Alguém disse Led Zeppelin?



Foi o Manuel que lançou este debate serôdio. O Gonçalo deitou mais umas achas para a fogueira. E eu não resisto a uma boa discussão liceal. Led Zeppelin? Francamente. Nunca lhes consegui arranjar um lugar em nenhum dos meus pessoalíssimos top ten. Nem no «Best Rock Bands ever» (edição do autor num caderno puído que é hoje uma raridade) nem - por maioria de razão - em nenhuma das subsequentes listagens temáticas com que me divirto a popular o meu ipod («Best Rock Bands 60/70's», «Psicadélica imprescindível», «Dimitri From Paris and the French dance scene», «The Duke and The Aristocats (assim mesmo)» entre muitas outras categorias absolutamente inconfessáveis).

Mas fiquemos-nos pela listagem mais abrangente. Stones à cabeça: Jagger, Richards, Watts, Wyman mas também Jones e Taylor. É dogma. Não aceito sequer discutir o tema («uma base de Blues» Manuel? Vou oferecer-lhe o «quintessential» Exile on Main Street e depois falamos). Doors logo a seguir. Pink Floyd, Velvet (& Nico), Lou Reed (que tem mais vida para além dos VU) o camaleão Bowie, o «sex machine» James Brown, o roufenho Robert Zimmerman (aka Bob Dylan). E, numa concessão pós 70, Prince (ou «the former artist known as») e os U2. Mas a lista podia continuar: Hendrix, Joplin, Van Morrisson, Neil Young, Iggy Pop...

Alguém disse Led Zeppelin?

3 comentários:

Pedro Lains disse...

Devo confessar que também não eram o meu estilo. E acrescento à lista do PN os Genesis (claro! estive lá em 1975 http://genesiscascais75.blogspot.com/) e no mais tardio os Talking Heads e os Clash. E agora é a Radio Radar!

Manuel S. Fonseca disse...

Serôdio? Eu dou-lhe o serôdio. Para começar: Os Stones estão a oxigénio e soro por subvenção da Unesco (que coisa horrível que eu disse: é mentira, eu adoro os Stones! E não é Love in Vain).
Os Pink Floyd são uma chatice monumental, tão lentos que Manoel de Oliveira se recusa a utilizá-los como banda sonora. Ainda me lembro, quando comecei na rádio (em Angola), de ter aberto um programa, às 8 da manhã, com um tema deles. A cidade voltou a adormecer e todo o movimento tombou num ilimitado e fixo ocaso. Pode ser que eu tenha fumado alguma coisa, mas sei que não inalei. A coisa deu-se.
Sex machine James Brown? Bom, esta merece um post. Um dia destes - yeahhh - , onde e quando se falará também da música betinha dos Genesis.

Rui Neves Soares disse...

Caro Pedro, não sabia que coincidiamos quase a 100% nos nosso gostos musicais, de rock, bem entendido... Ainda e sempre, irremediavelmente 'doente' quanto aos Stones. O 'quase' refere-se, antes de mais, aos The Who, Hendrix, Cream e Yardbirds (entre outros da mesma época e linha) cujas raízes e evolução nos conduzem directamente aos Led Zeppelin, também no topo da minha lista (fui um das dezenas de milhões de concorrentes ao sorteio dos bilhetes para o concerto de Londres, sem sucesso). Sim, eles mostram uma clara base de blues, se vistos nas suas raízes, e não retrospectivamente à luz das degenerações de heavy rock e metal. Já lá dizia o Jimmy Page: 'There's no escaping our roots'... Um abraço para ti, e os meus bootlegs dos Stones estão à tua disposição.