quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Cândida Vaginal

Ainda não tinha saído do duche há vinte minutos. Estava impecavelmente aperaltado, penteadinho e perfumado, pronto para enfrentar mais um dia de trabalho. Não deviam ser ainda oito da manhã e eu guardava ainda a memória do sabor de um croissant e de um saudável sumo de laranja que bebera antes de me lançar à estrada. Como todas as manhãs, liguei a TSF mal cheguei ao carro. Talvez porque fosse mais cedo do que o habitual, fui dispensado de «gramar» os insuportáveis «Sinais» do Fernando Alves. E foi portanto até com alguma curiosidade que recebi a notícia de que, naquela luminosa manhã de Novembro ,seria brindado com uma sugestiva rubrica com o título «Clínica Geral».
O tema do dia era a Candidíase. Cândida Vaginal para os mais intímos. Tinham passado, repito, escassos 20 minutos desde o «croissant» e o sumo de laranja. Tudo o que se possa dizer é pouco. Descrições gráficas sobre fluxos e refluxos, mucos e mucosas, babas, escorrimentos e outros temas tão fascinantes quanto apetitosos àquela hora da manhã. Profilaxias, conselhos muito práticos sobre toalhetes, higiene feminina e limpezas do ânus. Tudo comprimido entre o Jornal de Desporto e a cimeira de Annapolis (mais coisa menos coisa). Nos dias seguintes houve direito a frieiras, rosáceas, sangue nas fezes, incontinência urinária, comichão e mau hálito.
Percebem agora porque é que deixei de tomar o pequeno almoço?

5 comentários:

Anónimo disse...

Caro Pedro,

Como eu o compreendo. Há pouco tempo, ia eu no meio do trânsito a ouvir o João Adelino Faria ( aí pelas 10h da manhã) numa "acção de propaganda"- com um convidado cujo nome já me esqueci- a favor da masturbação. Demasiado gráfico,muitos pormenores ainda por mais vindo de quem vem, até para mentes consideradas mais "ageis" como eu. Parece que o JAF é muito mais àgil do que eu, afinal.

Deixei de ouvir as manhãs do RCP...

Ana Anes

Anónimo disse...

Caro Pedro,
Também eu o compreendo mas é fácil resolver esse problema. Basta mudar de estação ou, melhor ainda, deixar de ouvir a rádio matinal. Fora isso pode continuar a tomar o seu excelente pequeno almoço.

FeminineMystique disse...

pois, eu não me choca. acho bem que se fale nestas coisas às horas a que for. para muita gente para quem o rádio é a única companhia, ou para quem o rádio é fonte de informação mais assídua que a TV (que informa muito menos do que parece), esta é muitas vezes a maneira de reconhecer sintomas e de esclarecer dúvidas que podem não justificar uma ida ao médico.

aliás, se ficaram tão chocados, não lhes recomendo de modo algum a Exposição: "Knojo! A Ciência Indiscreta do Corpo Humano" que está patente no Pavilhão do Conhecimento (ver em http://www.pavconhecimento.pt/exposicoes/temporarias/knojo_flash/gross.html)

Pedro Norton disse...

Cara femininemystique,
Como calcula não estou a sugerir nenhum tipo de censura. Eu sou livre de mudar de estação..ou de deixar de tomar o pequeno almoço.

Luis Eme disse...

Ainda bem que existem mentes tão abertas...

Mas acho que há coisas mais interessantes para se falar na rádio, é por isso que cada vez ouvimos mais música, ao volante...