sexta-feira, 7 de maio de 2010

Quem não tem competência não se estabelece


Facto I
Dois gravadores roubados por um Deputado da direcção da bancada do PS, no Parlamento.
Facto II
Furto captado por uma Câmara de filmar.
Facto III
Justificação pública: acto irreflectido para defesa do bom nome. Não devolução do produto do furto.
Facto IV
Direcção da bancada solidária com o deputado usurpador.
O que é isto???
Há quem encontre uma saída: «foi a única maneira de se defender»; «o jornalista estava a pedi-las»; «não roubou os gravadores, levou o seu som».
Não podemos enlouquecer. Roubar é roubar. O título da Sábado «Deputado levou os gravadores» é eufemístico (figura de estilo em que se disfarçam ideias desagradáveis por meio de expressões suaves, Dic.Editora). Roubar no Parlamento, no exercício das funções de Deputado, pede imediata perda de mandato. E, quando há arrependimento, suponho que há um pedido de desculpas e a devolução do que se roubou. Quanto à solidariedade do líder da bancada com este gesto, só me lembro do dito popular: «Tão ladrão é o que vai à vinha como o que fica de espreita».
Ninguém obrigou Ricardo Rodrigues a ser Deputado, a dar uma entrevista, a responder a perguntas incómodas. Só o obrigaram a viver em Democracia e num Estado de Direito onde há liberdade de imprensa e não há liberdade de furto. Pode ser-se político sem dar entrevistas ao assertivo Fernando Esteves e pode ser-se Deputado com anteriores suspeitas de crimes que o Tribunal não provou. Mas não se pode roubar o que não é nosso. E, por cima disso, justificar o roubo. Talvez a única coisa que bate certo é o Deputado dizer que irreflectidamente quis defender o seu bom nome.

12 comentários:

joão wemans disse...

Muito bem!
Eu só acrescentaria um ditado, válido para políticos, "blogistas" e cidadãos comuns:
Quem vai à guerra dá e leva.

Ricardo Alves Gomes disse...

Este Deputado estava habituado a jornalistas que, quando entrevistam, dizem:

- «Bom Dia»
E o político toca a "desbobinar" o que lhe apetece;

- Ou, «A XTP/A sabe que o seu nome foi referido por X e Y, como o mais bem colocado para suceder ao Presidente César Augusto, quer comentar?»
E o político diz, «ficar lisonjeado mas que não comenta pois nunca pensou nisso e é uma questão que não se coloca»;

- Ou «Como reage às críticas que lhe foram feitas por A e B, por causa dos atrasos na entrega dos subsídios?»
E o político diz que, «não pode comentar porque não ouviu tais afirmações, mas aproveita para esclarecer isto e aquilo, e que, de resto, não perde tempo com pura especulações oportunistas».

Enfim...
Por vezes, deixar "a paróquia" e ir para a Assembleia da República acaba por ser um bom remédio.

Anónimo disse...

Fosse outro(s) o(s) dono(s) do gravador alvo da ira do deputado e isto não passaria da nota de rodapé insignificante na vida mediática e nacional. Como é jornalista, essa casta de intocáveis dos tempos modernos, e ou não tivessem tido eles os galões de terem tido um papel operacional quiçá superior aos militares (basta recordar as fotos nítidas e artísticas do 25 Abril tiradas por quem parecia estar a empunhar uma câmara fotog. como uma arma, quando o normal nas revoluções é estarem desfocadas pelo nervosismo dos fotojornaistas)no triunfo e instalação desta IIIa républica,... ora isto é um, mais um, sururu corporativista tremendo em torno desta insignificância parlamentar, só admira é a falta de sentido crítico de pessoas até com experiência na àrea.

Quem tinha razão para lhes atirar com os próprios gravadores e microfones era o Dr. Santana Lopes, pois Socrates foi eleito pela Comunica. Social e pelos muitos comissários políticos disfarçados de jornalistas, basta consultar.se a frio e desapaixonadamente um arquivo de jornais a cassetes daquela altura para se tirar, objectivamente, esta conclusão.

Enfim cá vamos cantando e rindo com estas palermices tontas, até à bancarrota iminente, quando os credores começarem a apertar este pobre país...

Melhores Cumpts.,
CCInez

Inez Dentinho disse...

Caro CC Inez, o post não é corporativo. Um político qúe dá uma entrevista tem de estar apto a dar as respostas que venham. O jornalista deve respeitar a fidelidade da mensagem.
O Deputado Ricardo Rodrigues faz lembrar os que, quando não gostam das cartas de um jogo a que se propuseram jogar para ganhar, atira com o baralho para o ar, sob a forma de um crime previsto nos códigos.
Quanto ao tempo do Dr Pedro Santana Lopes, sou testemunha directa do que escreve. E concordo consigo.

Anónimo disse...

O deputado Ricardo Rodrigues fez bem, pode não se gostar, e é deputado e tal e bla bla bla.
Mas jornalistas e polícias é do pior que há. São a escumalha da nossa sociedade.

Pedro Ramos.

Flávio Gonçalves disse...

Estou surpreso por Sócrates, além de não ter obrigado a demitir-se, o ter inclusive 'promovido' a consultor para a Segurança Interna!!!!

Parece anedota, estou incrédulo, chocado com a passividade do nosso povo e até da oposição, que não se tem feito ouvir!!!

Acho que vou comprar uma bandeira espanhola e engolir o texto que publiquei repudiando o sucedido recentemente em Valença!

miguel vaz serra....... disse...

Desde Londres onde assisto á arrogância de outro "socialista" que nem nuca foi eleito, sedento de poder, que não se vai embora, e que não ajuda nada a delicada situação do reino, tive a oportunidade de vir até aqui e li sem assombro algum aquilo que parece assombrar tudo e todos. Entendo que assim fiquem, claro, mas eu já não fico há muitos anos..Assombro-me mas é com atitudes de gente que devia ser indiscutivelmente “limpa”, honesta, comedida, modesta e clara e não o é. Com esta gentalha nada me surpreende.
Com a Dra. Inez, concordo até nas vírgulas. Quem escreve assim faz lembrar-nos que ainda podemos ter um restinho de orgulho em não ter que usar a bandeira espanhola, se bem que eu amo Espanha de tantos anos lá ter vivido. Não podia concordar mais com João Wemans. É como vestir Prada em África, no meio de crianças famintas e não querer ser criticado. Mas nesta situação a guerra é só dum lado. Do lado do PS. O resto fica a olhar incrédulo com tanta loucura sem limite e sempre desculpável. Roubar é o verbo mais falado nos últimos 6 anos de governação portanto banalizou-se. É normal. Não concordo com quem diz que os Jornalistas são escumalha. O que se passa é que eles estão na prateleira. Quem escreve e trabalha os média são os/as boys/girls dos governos. Jornalismo não existe em Portugal há muitos anos.
O que já cheira a mediocridade cultural é realmente esta passividade estúpida deste povo. Olhemos os Espanhóis, os Gregos!!!
Ficamos com a sensação de que não vale a pena sequer dizer, escrever ou fazer nada…é energia que se gasta para nada.
Alguém disse um dia e eu concordo plenamente: cada povo tem os governantes que merece!!!

Inez Dentinho disse...

Agradeço os comentários e peço menos agressividade com os jornalistas. Vou dizer uma banalidade, verdadeira: há alguns muitíssimo bons, tal como políticos ou advogados - também identificados com a corja da sociedade. Essa fama, assim generalizada, não apura o melhor que há neles.

miguel vaz serra...... disse...

Inez "Não concordo com quem diz que os Jornalistas são escumalha. O que se passa é que eles estão na prateleira. Quem escreve e trabalha os média são os/as boys/girls dos governos. Jornalismo não existe em Portugal há muitos anos." escrevi a 8 de Maio,precisamente porque concordo consigo.Claro que será um exagero meu também, mas na generalidade é verdade o que digo.O JORNALISMO de outros tempos,já era....

Inez Dentinho disse...

O jornalismo, como veículo de leitura sobre a realidade, é uma tentação para quem queira filtrar a mensagem. É um sério desafio para o jornalista ou para o operador de câmara que sabe o que vale uma vírgula ou uma fracção de segundo num determinado ângulo. A escolha é permanente e não somos impecáveis no esforço. Só o auto controlo e um verdadeiro policiamento da classe (que não sobre a classe) resolvem os desvios. Haverá sempre, ainda, os tribunais que, de vez em quando, fazem justiça. Ter poder é uma loucura. Servir-se do poder, o mais apetecível. Servir com o poder o que importa.

henrique santos disse...

E se convocarmos para menhor esplicar, uma coisa que nunca fez, que motivo fundamental o levou a DISSOLVER A ASSEMBLEIRA DA REPUBLICA, e que levou a tudo o que temos assitido no ultimos 5 ANOS,,,,o sr. Sampaio....será que este sr vai viver o resto da vida a rir-se de mim e da maoria dos portugueses, fez o que lhe deu na gana com a sua roda de amigos, que nos estão a gozar estes anos todos em que nem sequer temos direito a protestar,,,eu levo todos estes anos a escrever sobre isto, na maior parte das vezes fui boicotado...no IOL foi vezes sem conta que o meu comentário fcou na gaveta, bem protestei mas ganhei nas mesmas ,,,nada.
(como diz o ditado; não á mal que sempre dure).

Mas como se costuma dizer deus é grande e não dorme e eu vou gostar de ver como é que muita gente se vai explicar.

henrique santos disse...

E se convocarmos para menhor esplicar, uma coisa que nunca fez, que motivo fundamental o levou a DISSOLVER A ASSEMBLEIRA DA REPUBLICA, e que levou a tudo o que temos assitido no ultimos 5 ANOS,,,,o sr. Sampaio....será que este sr vai viver o resto da vida a rir-se de mim e da maoria dos portugueses, fez o que lhe deu na gana com a sua roda de amigos, que nos estão a gozar estes anos todos em que nem sequer temos direito a protestar,,,eu levo todos estes anos a escrever sobre isto, na maior parte das vezes fui boicotado...no IOL foi vezes sem conta que o meu comentário fcou na gaveta, bem protestei mas ganhei nas mesmas ,,,nada.
(como diz o ditado; não á mal que sempre dure).

Mas como se costuma dizer deus é grande e não dorme e eu vou gostar de ver como é que muita gente se vai explicar.