domingo, 7 de dezembro de 2008

O sexteto será de cordas?!

O sexteto de luxo de Barack Obama, incluindo Hillary Clinton como ministra dos Negócios Estrangeiros e um ministro de Bush, Robert Gates, na Defesa, mostra que a democracia americana tem pouco a ver com;
a) a nossa forma europeia (e ainda menos com a portuguesa) de separar esquerda e direita;
b) com a forma europeia, e muito menos com a nossa forma portuguesa, de vermos a alternância democrática.
Aos dois já citados, Obama juntou Janet Napolitano para cuidar da luta anti-terrorista e da imigração, Timothy Geithner, banqueiro que transita da Reserva Federal para as Finanças, Eric Holder que será o primeiro negro ministro da Justiça e James Jones, um general da Nato, para a segurança nacional. As nomeações vieram juntas com um solene aviso: “A economia americana está muito mais inclinada a piorar do que a melhorar”.
No essencial, a equipa é centrista (ou até conservadora se a referência for o espectro democrático) o que sobretudo se reflecte no “dream team” de conselheiros que se juntam, nas Finanças, a Geithner.
Dos 6 ministros – ou secretários – há três com mais de 60 anos (Hilary, por exemplo), dois com mais de 50 e apenas um abaixo, no caso Geithner que tem 47 anos.

5 comentários:

Sofia Rocha disse...

Manel, cuido que esteja restabelecido.
Mas deixe que lhe diga que a sua alínea a) foi discutida em tom aceso no jantar do Geração...

Sofia Rocha disse...

Com esforço e à distância, até conseguimos ouvir a senhorita Rice e Chopin, não nas cordas, mas no piano.

Manuel S. Fonseca disse...

Quer dizer, foram gourmandises gastronómicas em cima de gourmandises ideológicas. Lindo!

pirata disse...

Não sei se isto serão políticas de direita (até para padrões americanos):
http://change.gov/agenda/economy_agenda/
Mas também não creio que a separação entre esquerda e direita seja um problema para a política portuguesa ou europeia. Parece-me até saudável que as pessoas que assim entendam se assumam de esquerda ou de direita.
Julgo que grave é a liderança política que temos (em Portugal e na Europa). Salvo alguma excepção que agora não me ocorre, os nossos políticos são mediocres, e mediocre é a nossa política. Talvez por isso algumas das pessoas que seria desejável termos na política não estejam para isso. Tanto à esquerda como à direita.
Parabéns pelo blog.
pirata

Táxi Pluvioso disse...

Tango! Surrealizar um quarto.