sábado, 25 de outubro de 2008

O meu diário com Sofia

Lancei uma provocação à Sofia Galvão e o resultado foi catastrófico. Para mim, claro. Saio ferido e triturado, com sessões de fisioterapia já marcadas no precário e duvidoso serviço nacional de saúde.
Para ser prático comento por pontos o essencial desta veemente, e tão bem argumentada, declaração da Sofia, Não sem um preâmbulo cavalheiresco: se, para que a Sofia pudesse falar livremente, eu tivesse que me calar, fâ-lo-ia. Seria, aliás, uma “win-win situation”: todos ficaríamos a ganhar. A sua voz, Sofia, para além de ser musical, é de participação e idealismo, a minha é a de um aflautado auto-denegrimento, que desemboca na nulidade.
Vamos, então, aos pontos:
1. Regista a Sofia, com agrado, que eu mudei de opinião em 24 horas. De dia dizia que “os elefantes corriam livres na pradaria”, à noite já eu anunciava “que o país está péssimo e as liberdades estremecem, arrepiadas”. Reconheço agora que a mediocridade de estilo não autoriza que se perceba a ironia de ambas as declarações. A partir de agora é pão, pão, queijo, queijo, por que quem não tem competência não se estabelece. Quando eu disser que o pecado cobre o mundo como um manto de opróbio e que sucumbiremos a ferro e enxofre, quero que me levem a sério.
2. Diz a Sofia que já toda a gente percebeu os nossos respectivos argumentos. Reitero só um ponto técnico inultrapassável: não se pode (ou não se deve) construir uma argumentação com premissas erradas. Insisto, para ver se levo a bicicleta: é o caso dos dois casos de que ab ovo surgiu a nossa “metodológica” discórdia.
3. A Sofia defende com exuberância a individualidade dos seus pontos de vista. Mas a verdade é que falamos sempre de algum lugar e “somos” também esse lugar. O meu lugar, por exemplo, é o de um cidadão desconfiado dos aparelhos partidários e descrente, por traumatismos vários, dos méritos da intervenção política. Absurdo e demissionista, mas é o meu lugar. O seu lugar, Sofia, é bem mais construtivo, participante e cívico. Acho legítimo, nada ofensivo e muito menos ainda condicionante que, atendendo ao tema, eu me dirija à integralidade da sua “fala”. Quem sou eu para fraccionar o “eu” público e soberano da minha opositora? O que a Sofia viu como uma tentativa de silenciamento é apenas o reflexo das altas expectativas que tenho no seu discurso, esperando que nunca se reduza à rotina dos “jogos de linguagem” políticos o que, porventura erradamente, me pareceu ser a tentação.
4. Estamos juntos, indestrutivelmente juntos, na defesa da liberdade lúdica (L-L) do “Geração de 60”. Por uma “Geração de 60, L-L” estou capaz de oferecer o peito às balas. E com isto encerro o “meu diário” com Sofia.

Permito-me, agora, alargar o debate. Como todas as discussões, também esta começou por um não-dito. Confesso o meu. Tive de ouvir de muitos amigos de esquerda, durante anos, a cada medida legislativa, a cada privatização de um jornal, a cada licença para rádios e televisão, que o fascismo, como um lobo, estava de volta. Esses gritos de aviso eram manifestamente exagerados e intelectualmente demagógicos.
Agora, os brados de pavor à direita soam-me, mutatis mutandis, a um pouco imaginativo déjà vu. A Imprensa portuguesa está hoje nas mãos de privados. Os diários mais lidos, o semanário e revista mais lidos, a televisão mais vista são privados. A rádio mais ouvida é da Igreja Católica.
Há a RTP e a rádio estatal? Há. Depois de anos de intrumentalização, chegou-se a um modelo construído pela mão direita e pela mão esquerda do Bloco Central. E desde aí quase nada mudou. Quando o PS é oposição queixa-se com amargura do torniquete com que o PSD estrangula a liberdade da RTP, e o PSD quando arredado do poder oferece o mesmo espectáculo: a mesma amargura, os mesmo olhos em alvo. Nomes como os de Marques Mendes e de Arons de Carvalho, para dar só dois exemplos, foram arrastados pela lama, acusados de fazerem alinhamentos de telejornais. A conversa é a mesma e eu declaro que estou farto.
Prefiria que atacassem outros temas. Por exemplo, mandem às urtigas a degradada economia portuguesa e a atitude de um patronato a que, hoje, no “Expresso”, Miguel Sousa Tavares chamou, e cito, ‘chicos espertos’, especialistas em fugir ao Fisco e malbarartar ajudas Europeias. Mostrem-me lá, agora que o Greenspan, depois dos lobos terem papado as ovelhinhas todas, clama em alvoroço que o livre mercado não pode regular-se a si próprio sem a supervisão da Administração (Alan dixit), mostrem-me como é que se constrói o capitalismo rico e farfalhudo, com explosões de produtividade e consumo, que inunda os meus sonhos mais freudianos. Digam-me o que vão ou se deve fazer, não me digam só o que está mal.
Mas há ainda, se quiserem, e para voltar às liberdades informativas em Portugal, um ponto para meditação. Porque é que, não sendo a RTP a estação líder de audiências, a sua informação é hoje a mais vista e consumida pelos portugueses?

8 comentários:

helena forjaz disse...

Manel, suspeito que neste espaço em que há demasiadas certezas, seja possivel responderem-lhe a dúvidas tão genuínas ...

Manuel S. Fonseca disse...

Bom olhos a leiam Helena. Como é que vão as suas produções? As minhas estão um mimo (gabo-me eu antes que lhes caia meio mundo em cima!) Um beijo

tric disse...

os argumentos que você utiliza para justificar a saida do programa Contra-informação do horário habitual, são para mim,de uma ingenuidade primária, mas ao lê-lo observo que você de ingenuo não tem nada! logo como explicar esta contradição, só consigo encontrar uma, é que existe da sua parte uma tentativa consciente de branquear o comportamento da RTP.

helena forjaz disse...

Manel, as minhas produções, sem deprimor pelas suas, estão "super". Esperemos que o mercado anime pela muita qualidade que se adivinha.(mesmo com o mundo dos críticos a cair em cima).
Um beijo, Helena

helena forjaz disse...

Queria dizer desprimor, claro

Manuel S. Fonseca disse...

Caro Tric,
Está a a ver como chegou lá?! Branqueamento está claro.
Bom, mas há a hipótese do Senhor se ter enganado e eu ser mesmo ingénuo.
Seja como for dou-lhe os parabéns pela argúcia e pela mente conspirativa.Sem isso, hoje em dia, não se vai a lado nenhum.

Sofia Galvão disse...

Manel, acho que o mundo já partilhou qb da nossa troca de impressões. Por mim, sugiro que continuemos esta conversa inacabada no próximo jantar do Geração de 60 - se o tempo dos aperitivos não for suficiente, reservamo-nos um cantinho da mesa e continuamos...

Manuel S. Fonseca disse...

Sofia, claro que sim. Um jantar da Geração é sempre um privilégio...