quinta-feira, 1 de maio de 2008

Direita e esquerda – ensaio de reabilitação (I)


A dicotomia direita-esquerda é tema obrigatório para aqueles que reflectem sobre a política e o seu sentido.
Dois séculos depois da assimilação dos conceitos – nos tempos em que o conflito opunha Gironda e Montanha, e já depois de, na Inglaterra do século XVII, os levellers e, mais radicalmente, os diggers terem assumido as razões da alternativa –, a questão passa por saber se esta distinção terá, hoje, ainda algum papel a cumprir... Quer no plano da acção política e dos princípios que a determinam. Quer num registo teórico e conceptual, enquanto contributo para a construção de quadros de entendimento do fenómeno político.

A verdade é que, ninguém o ignora, há muito que inúmeras vozes reclamam a superação dessa diversidade inicial. De critério constitutivo do discurso político e do antagonismo proposto, os conceitos de direita e esquerda teriam passado a puro refugo ideológico.
Pensar em direita e esquerda é, para alguns, pensar num binómio com muito passado, mas pouco futuro.

Não obstante, desafiando esse pretenso determinismo histórico, a antítese sobrevive. Teimosamente. Em cada nova eleição, algures num qualquer canto do mundo, se emerge uma bandeira, um discurso, uma causa que se proclama de esquerda, é inevitável que, logo, e em resposta, surja uma outra bandeira, um outro discurso, uma outra causa a reclamar-se de direita.

Aliás, a incontornável circunstância de, mesmo depois da queda do muro, do fim da União Soviética, da completa dissolução do Bloco de Leste, a díade continuar no centro do debate político (BOBBIO) revela que o seu alcance vai muito para além da oposição entre capitalismo e comunismo (GAUCHET). Nos debates públicos sobre política, como também sobre economia ou questões sociais, as palavras «direita» e «esquerda» emergem sempre com um intuito de clarificação de pertenças e, portanto, de premissas.

E o facto é que, qualquer de nós, perante um protagonista político, um programa político ou um qualquer desígnio político, logo se questiona se será de «direita» ou de «esquerda»... Essa continua, portanto, a ser a nossa mais imediata referência. Mas sê-lo-á por razões meramente histórico-culturais? Será que, conceptualmente, a distinção cristalizou e, assim, perdeu virtualidades cognitivas e discursivas? Será que a dicotomia direita-esquerda perdeu alcance?

Por mim, estou com aqueles que vêem na «direita» e na «esquerda» categorias universais da política (GAUCHET). Categorias vivas e perenes. Operativas e plenas de sentido.

Mais, estou com aqueles que vêem a opção entre «direita» e «esquerda» como expressão necessária – e urgente – da recusa do populismo que ameaça a política dos nossos dias (RUI RAMOS).

Pour cause, será esse o mote dos meus próximos 'posts'.

2 comentários:

F. Penim Redondo disse...

O que é verdadeiramente dificil, hoje, é definir que princípios ou lutas caracterizam a direita e a esquerda.

Quase sempre o centro de referência é determinado, em cada sociedade, pelo equilíbrio do concreto panorama politico existente no terreno. Dessa forma o que é esquerda num país pode ser direita noutro.

O mesmo pode dizer-se das épocas que se sucedem.

Devemos pactuar com este relativismo ?

Manuel S. Fonseca disse...

Sofia, aviso-a já que se meteu numa nobre aventura. Não esmoreça. Imaginando a Europa como uma grande empresa e os diferentes governos nacionais como directores gerais, já reparou que, mesmo dando uma boa latitude de processos a cada um, o objectivo final de todos eles é gerir com excelência sociedades com economias de mercado que serão todas avaliadas pelo mesmo paradigma implacável? Será por isso que, há uns anos, a sintonia entre o governo de Cavaco e Gonzalez era tão fina? Será por isso, e a uma escala ainda mais larga, que Blair e Bush se geminaram? Ah, e mesmo quando a esquerda era esquerda e direita, direita, recorda-se da fraternidade franco-alemã Kohl-Miterrand? Atrevo-me a dizer que as coincidências iam muito para além da política internacional. Diga-me agora a Sofia quais são as 7 cabalísticas diferenças.