segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Vale a pena estar atento

Primeiro foi Sócrates que considerou «deplorável» a notícia do Público (que dá conta dos projectos alegadamente por si indevidamente assinados) e que afirmou «que vem na senda de outras que o Público já fez». Trata-se, referiu, de «um ataque pessoal e político».
Agora foi a vez de HMV António Costa vir dizer que o jornal é «indigno», faz «campanhas de carácter sobre as pessoas» a mando do seu proprietário na sequência da OPA falhada da Sonae sobre a PT. De resto, o seu director é «uma pessoa desqualificada para a função que exerce».

A polémica sugere-me três curtas notas:

1 - Os bons exemplos são para seguir. A «Marinhização» do país avança a bom ritmo.
2 - É a segunda vez, no espaço desta legislatura, que vemos o PM a reagir (directa e indirectamente) de forma irada e rancorosa a notícias sobre o seu passado. Começa a emergir um padrão. As leituras, cada qual fará as suas.
3 - O jornal Público não precisa que eu o defenda. A sua reputação e o espaço de honorabilidade que conquistou na sociedade portuguesa falam por si. As palavras do PM e de António Costa revelam, mais do que uma «indisposição» com um jornal em particular, um enfado profundo com uma comunicação social que teima em não se render, submissa, aos encantos do governo. Ou muito me engano ou a guerra não acaba aqui. Pelo sim, pelo não, vale a pena estar atento.

3 comentários:

Sofia Galvão disse...

Ai vale, vale. Se vale...

Helena Forjaz disse...

Quais Kim Il Sung e seu filho Kim Jung Il. Sócrates e A. Costa são pai e filho que não tarda , se não estivermos atentos, criam mesmo os gulags para os jornalistas mais atrevidos...

Pedro Lains disse...

Eu por acaso até ando "preocupado" com o Público. E não estou a ser socrático.