quarta-feira, 2 de maio de 2007

Les bons esprits se rencontrent

«Partido da Nova Democracia pondera apoiar Santana Lopes para a CML». É caso para citarmos Woody Allen: «que jackpot neurótico!»

5 comentários:

Manuel S. Fonseca disse...

Consta que o Maxime já foi reservado para a press conference de lançamento, mas podem ser só más línguas.

Inez Dentinho disse...

Porque o nosso blog é informado, aqui deixo alguns dados. PSL deixou uma obra assinalável na CML apenas em três anos, sem os dinheiros europeus (que deixaram de servir Lisboa e o Vale do Tejo) e sem a possibilidade de contrair impostos, cortada por Manuela Ferreira Leite às autarquias, em 2002. Internamente, reestruturou todos os serviços e tornou imperativo o PDM e os Planos de Pormenor (paralisados anteriormente); no edificado, inverteu a tendência das novas construções na periferia pela da reabilitação urbana, tornando os bairros históricos em verdadeiros estaleiros que já deveriam ter deixado de o ser; criou as SRU (a da Baixa tinha feito todo o trabalho que Maria José Nogueira Pinto apresentaria como seu); fechou ao trânsito o Bairro Alto, a Bica, Santa Catarina, Alfama e o Castelo; trouxe a Lisboa Jean Nouvel, Norman Foster e Frank Ghery para a renovação de Alcântara, Aterro da Boavista e Parque Mayer; nos espaços verdes, abriu 43 ha de jardim no Parque das Conchas, criou de raiz o jardim do Arco do Cego, limpou Monsanto e tornou-o seguro; construíu os túneis do Rego e Infante D. Henrique tendo sido travado no Marquês por questões que se verificaram nulas; teve as mais frequentadas Feiras do Livro, com uma programação cultural nunca experimentada, o mesmo se diga do São Luís, com AS e da Casa Fernando Pessoa com CFA. Restaurou por completo a Sinagoga e as Igrejas da Baixa (S.Nicolau, Mártires, Paulistas e Encarnação (nesta a obra interna foi pada por fiéis); construiu um talhão cemiterial para muçulmanos e encetou a última fase das obras na Mesquita; chamou a Lisboa o Rock in Rio, o Paris-Dakar e (juntamente com outros factores) a aportagem de um número recorde de cruzeiros e congressos); na UCCLA, lançou dez grandes obras (já concluídas) em cinco cidades que falam português (destaque para a reconstrução do antigo Palácio do Governador em Dili, hoje residência oficial do PR de Timor-Leste); construiu parques de estacionamento no centro de Lisboa, como Calçada do Combro, Santos, Cerca Moura, S.João de Deus, entre outros que agora não me lembro; eliminou o Bairro dos Fornos, guetto cigano em Carnide onde nem a polícia entrava; sustentou o dificílimo problema do caneiro de Alcântara e monotorizou, pela primeira vez, os solos da cidade. Refez o cadastro do Património da CML. É obra. Deu trabalho e resultados. Em muito pouco tempo. Mas, é claro, tem de haver virtude também no olhar. Inez Dentinho

Pedro Norton disse...

Inês,
Mais do que informado, o nosso blog é plural. Faço provavelmente uma leitura diametralmente oposta à sua da passagem do PSL pela CML e pelo governo, bem como da sua prestação pública e política em geral. Em relação a este ponto dificilmente estaremos algum dia de acordo. Mas não deixo de registar a coragem com que faz a sua defesa sendo que é manifestamente mais difícil defendê-lo do que atacá-lo (e digo isto sem nenhuma ponta de ironia).

Inez Dentinho disse...

Nada como a pluralidade informada, concordo. Mas não veja coragem na lucidez. E, nesse detalhe, não ignoro o que correu mal.

Manuel S. Fonseca disse...

Volto de dois dias fora e descubro que meti uma bela argolada – é o que dá fazer piadas fáceis "around midnight". Mas garanto que a piada era benigna: gosto de ver as pessoas de que gosto nos sítios a que acho graça.