quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Recordando Sophia III

Parece que Sophia dizia que “o socialismo é a aristocracia para todos”. Conheço esse ideal, porque foi o que durante vinte anos me moveu. Por isso Platão me chocou durante anos, bem como a crítica que fazia à democracia ateniense e o monstro que pretendia gerar na sua genial, mas triste, República. Mas Péricles morto, e o poder na mão de oportunistas e demagogos, a ralé sem desejo de igualdade, mas apenas pretendendo ser mais que os outros, tiraram-lhes as ilusões. Nesse aspecto a herança iluminista é mais lúcida. Como dizia Voltaire, esse grande antecessor da democracia como se diz: “ a democracia é o governo da canalha”. Mera proclamação como tantas que fez, ou resultado de maior reflexão? Com Voltaire nunca se sabe. Os seus apreciadores correm sempre o risco de serem por ele desprezados.

A desilusão de Sophia com a vida parlamentar é um reflexo de todo o horror ao mecanismo que sempre caracterizou o aristocrata. Para o bem e para o mal. A subtileza jurídica, a rotina fora da ideia, a inércia de movimento são aspectos tristes e pouco expansivos da vida. O burguês domina-os melhor, e tanto melhor que assim seja.

O que me pergunto é se a mistura de Grécia, catolicismo e aristocracia, que gera pessoas de imensa elevação, não pode ser perigosa para os próprios numa democracia que desce à realidade chã e passa a ser dominada pelos denunciantes de Sócrates e pelos comerciantes de ideais, os que os invocam em proveito próprio e de mais ninguém. O que diria Sophia se visse o espectáculo actual? Pura especulação.

Não compreendo os facciosismos. Leni Riefenstahl fez o único documentário político de génio com o Triunfo da Vontade e a única reportagem desportiva que tem nome pleno de arte e que ainda hoje em dia influencia o jornalismo desportivo, mera glosa lateral da sua grande obra. Nem a I República nem o 28 de Maio tiveram obra digna desde nome que os cantasse. O 25 de Abril tem. “O dia inteiro e limpo”.

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo.


Daqui a uns séculos será mais lembrado por quem o fez lembrar que pelo que aconteceu. Se nos preocupamos com os vencedores das Olimpíadas é Píndaro quem o conseguiu, não os atletas. Não me interessa saber se as pessoas são contra ou a favor do 25 de Abril, até porque à luz dos tempos nada é tão simples. Quem me disse bem de Sophia quando eu era criança era nuns casos forte opositor e noutros forte apoiante do regime salazarista. Essa grandeza de alma falta hoje muitas vezes na discussão no espaço público.

Hoje em dia achamos que é pieguice a ideia de um poeta imortalizar pessoas e eventos. Um duque de Saxe-Weimar que acolhe Goethe pôs Weimar no mapa do mundo graças a isso. Carlos Magno seria um pouco menos magno sem Alcuíno, ou Augusto sem Virgílio. E muita gente inteligente por esse mundo fora não perderia muito tempo com as Descobertas se não fosse Camões. Passámos da pieguice da omnipresença do criador, para a grosseria da sua ausência. Mas as obras que se guardam carinhosamente ao longo dos séculos não são relatos desportivos nem notícias sobre ministros. No desespero, na necessidade de escolha, e na medida do possível, são as grandes obras que se tentam salvaguardar. Tendo ido ao essencial, e tendo tentado viver o essencial, só posso ter o maior respeito pela obra e pela pessoa. E tenho pena que a democracia não a tome por modelo e prefira tomar por tal, não quem por ela se sacrificou, mas os seus beneficiários.








Alexandre Brandão da Veiga

6 comentários:

Anónimo disse...

Sim, sim, Voltaire e companhia limitada, incluindo Danton e os seus cães para controlar a democracia, a ralé do povo, e a carneirada.

Curiosamente ou talvez não, sempre houve uma união em termos de concepção cultural e ideológica profunda, ao longo da história de Portugal, entre a alta nobreza (de sangue e de espírito) , sobretudo em momentos de crise, veja-se por ex. a crise de 1383-1385, onde D. Nuno sem o Povo e vice-versa nada conseguiriam contra a ralé daquela altura, que era a maioria das elites, venais, cobardes e compradas por Espanha...

Melhores cumpts.,
CCInez

KRISTUS ANDA Nagazoza disse...

É urgente que a Demukracia desempenhe o seu papel de educar os futuros gebos
através “duma reflexão analítica sobre a produção e a gestão da informação no
mundo”.
Demokracia um “produto acabado”.
É apenas um embrião, pronto a crescer, numa perspectiva construtivista,
colaborativa e participativa, com pategos e balões.
Enfim, um espaço aberto, pronto a ser consultado onde D. Nuno sem o Povo e vice-versa

Táxi Pluvioso disse...

Em Portugal bateu certo a frase de Voltaire (mas desde que alguns tenham enriquecido está tudo bem).

Bom Natal a todos

Táxi Pluvioso disse...

Outros votos: um bom ano para todos.

Lobo da Gardunha disse...

Sofia de Melo Breyner Anderssen foi uma Grande senhora portuguesa e uma Grande poetisa.
Um bom novo ano para toda a gereção de 60

Pedro Bingre disse...

Grande e belo artigo. Obrigado.