sábado, 23 de fevereiro de 2008

Condenado a dividir



No cinema, a fronteira que separa a comédia inteligente da farsa primária e burlesca é por vezes muito ténue. Demasiado ténue para não ser ultrapassada. E conseguir não pisar o risco com Owen Wilson no «cast» é obra. Mas o que é verdadeiramente extraordinário é juntar, num mesmo filme, momentos de humor «non sense à la Python» com cenas de uma tristeza pungente (recordo, com um arrepio, o ritual de lavagem do corpo do menino indiano morto) e dar ao todo uma surpreendente coerência.

«The Darjeeling Limited» é um filme que desafia catalogações. Talvez por isso não tenha conquistado nem a crítica nem o «box office». Ninguém gosta de ser «desconcertado». E é precisamente isso que Wes Anderson propõe. Um desconcertante delírio. Que o afirma como um dos cineastas mais originais do momento.

Condenado a dividir. Eu estou do lado dos rendidos.

2 comentários:

Manuel S. Fonseca disse...

Vi o trailer e fiquei cheio de dúvidas. Agora, fiquei cheio de vontade: vou ver. Aproveito para deixar uma citação cuja ambivalência recomendo. É do velho Will Rogers que fez com John Ford uma trilogia fantástica. E disse: "There is only one thing that can kill the Movies, and that is education."

Pedro Lains disse...

O filme é espectacular e único.