sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Descrença e neopaganismo


Entendamo-nos. Sob o ponto de vista lógico, a descrença não está vinculada ao neopaganismo. Sob o ponto de vista pessoal, pode surgir de muitas fontes, embora Novalis tivesse alguma razão ao dizer que está associada à perda de um primeiro amor. Mesmo que esse amor não tivesse sido vivido.



Mas a verdade é que, na Europa, numa perspectiva cultural e não da vidinha de cada um, a descrença se associa ao neopaganismo. E isto por duas vias: pelo seu nascimento e pela sua continuação.



A visão do servo da gleba é a de que havia uma altura em que todos eram crentes, tão crentes, que nem eram capazes de conceber a descrença. Que em todas as épocas houvesse quem falasse de descrença e de cepticismo e mesmo de ateísmo, aos seus ouvidos soa como algo sem importância, mas apenas porque decidiu que o homem medieval era incapaz de conceber a descrença, incapaz de a viver, incapaz de a teorizar. Mas porque lutava então o homem medieval contra algo que não existiria ou, pior ainda, não poderia conceber?


Mas, se bem virmos, em todas as épocas, quando temos em atenção as vozes que ouvimos, as fontes por vezes fracas que nos sobram, há sempre um mesmo cântico. Há algures alguém que diz que os antigos tinham razão, que o cristianismo não contém a verdade. Na Ravena do fim do século X, início do século XI, na altura do futuro papa Silvestre II, o célebre papa do famigerado Ano Mil, falava-se de um professor que ensinava que os poetas antigos diziam a verdade. Ou que São Pedro Damião avisasse contra os excessos de dialéctica que querem meter Deus em gavetinhas? Com Plethon no século XV ainda mais cresce esta voz, que passa pela filologia clássica de algumas academias italianas, de salões franceses, ou universidades inglesas, atravessando a Alemanha do século XVIII.


Pelo seu nascimento a descrença está sempre associada ao neopaganismo.


Mas também pela sua continuação. Podia-se dizer: Realmente, nasceu a ideia por inspiração pagã. Mas neste momento estamos numa outra época, ganhou autonomia, podemos ser descrentes nus, sem as vestes do paganismo.


Será?


O que fazem os campões da descrença?


Cantam laudas à liberdade sexual dos pagãos, liberdade que nunca existiu, pelo menos nos termos em que cantam.


Quando afirmam a inexistência de Deus, dizem algo que é verdadeiro apenas para um deus pagão, um deus das lacunas, que serve apenas para explicar o trovão e o movimento do universo. O problema é que esse não é o Deus do cristianismo. Julgando atacar o cristianismo mostram que só concebem (intelectualmente) deuses como os pagãos.


Quando defendem a tolerância, lembram a maravilhosa tolerância dos paganismos antigos, ignorando as vezes que o Senado romano proibiu religiões, mandou queimar livros sagrados e matar seguidores dos bacanais ou religiões orientais, ou como a democracia grega expulsou ritos estrangeiros.


Querem os direitos do homem e o respeito da dignidade da pessoa humana, não percebendo que só o cristianismo criou este conceito.


São apenas alguns exemplos. Os mesmos que acreditam que vivem uma descrença nova, refrescada, nascida do nada, que já não carece da inspiração dos poetas antigos, em boa verdade apenas desconhecem os poetas antigos que seguem, e os senadores antigos que imitam ao querer suprimir a religião.


Porquê neopaganismo e não pura e simplesmente pagãos? Porque o neopagão é o cristão, e por isso nascido do cristão. A única religião que acham verdadeira é o cristianismo, o resto apenas folclore. Por isso é tão importante para eles dizê-la falsa. Não perdem tempo a chamar de falsa a religião xamânica, porque para eles é apenas folclore. Essas religiões podem ficar, porque afinal não é possível um homem civilizado acreditar nelas. Mas que homem civilizado, pergunta-se? O cristão, obviamente, o europeu.


O neopagão é apenas um cristão, mas um cristão de pernas para o ar, espécie de São Pedro de caricatura. Nasce de fonte cristã sem o saber, e imita os pagãos desconhecendo-os. A sua pretensão de novidade é cristã, a sua pretensão de razão assentam-na no mito pagão. Que, lógica e pessoalmente, a descrença seja autónoma admite-se. Significativo é que, quando se queira manifestar, apenas possa recorrer ao tópico pagão e cristão. Triste apego, triste ignorância.


Neopagão, porque já não vão a tempo de serem pagãos. Neopagão, porque são cristãos. Kierkegaard foi dos únicos a falar desse fenómeno, embora por alto, no «Conceito de Angústia». Era clarividente, mas não perdeu muito tempo com eles. Façamos o mesmo. Refiramo-los como se faz uma nota de pé de página. Eventualmente plena, mas afinal secundária.



Alexandre Brandão da Veiga






0 comentários: